quinta-feira, 11 de novembro de 2010

Todos nós queremos ser jovens, pop’s e pós-modernos-contemporâneos para sempre


Eu tenho uma raiva exagerada, quase um desprezo, por quem adora lembrar dos ícones anos 90. Música tema de Carrossel, movimento de hora de morfar dos Power Rangers, tazos que vinham em chicletes, todas as falas de Paola Bratcho em A Usurpadora... Enfim, qualquer coisa que faça eu perceber que estou ficando velho, e que eu era um tosco. Pior, quando se trata das redes sociais (caralho de "redes sociais”, isso aqui não é o Fantástico), então, quando se trata de TWITTER, esse movimento vira uma praga, basta uma pessoa citar alguma coisa e pronto, lembranças de coisas velhas se espalham pior que carrapatos em cachorro não tosado.

E se para a minha geração, que foi criança nos anos 90, já existe um movimento de saudosismo tão grande, o que será que existe para aquela geração que foi criança nos anos 80 e que eu chamo carinhosamente de Geração Kichute? Num mundo que não só tenta colocar na cabeça de todos que são os jovens que mandam nas tendências como realmente são os jovens que MANDAM, como se defender de um conjunto de filosofias pós-modernas-contemporâneas que sempre querem te ensinar o seu lugar se você já não é... “tão jovem assim”?

Sei lá!

A pergunta pode até não ter uma resposta tão simples. Mesmo porque, é o tipo de resposta que aparece em atitudes, não me cabe listá-las, porém, eu faço questão de citar uma. Sim meus amigos, pois Scott Pilgrim Contra o Mundo, um dos filmes do ano, é um verdadeiro tapa na cara da sociedade-teenager-colorida.

Scott Pilgrim mostra que a vida acontece em fases, não as fases infância-adolescência-adulto, mas as fases de vídeo game mesmo, mas muito mais que um simples game, um game 8bits, um dos maiores símbolos da geração anos 80. Na trama, Scott Pilgrim, guitarrista de uma banda baita ruim e que sofre com o fim do último namoro há mais de um ano, conhece a ultra descolada Ramona, que passa a ser foco de uma paixão repentina, mas que ao conhecer a Liga dos Ex-Namorados do Mal de Romona, começa a contestar sua paixão. Como nos videogames, cada ex-namorado é uma fase a ser superada, um inimigo a ser derrotado. E Como na realidade, cada memória do outro é uma bagagem a ser compreendida por Scott, não no sentindo de compreender somente Ramona, mas a si mesmo, a superar seus traumas e fraquezas.

Não julgue Scott Pilgrim pela capa e pela produção. A história parece infantilizada, com os elementos de Super Mario, Metroid, Street Fight e The Legend of Zelda, incluindo onomatopeias, recordatórios em quadro e influências de mangá. Mas temos aqui um épico 2.0, um trabalho cinematográfico de adaptação de linguagens fenomenais, e uma celebração a ícones esquecidos que inspiraram simplesmente todos os que temos hoje, junto a uma Geração Indefinida de jovens que comanda o mundo, tem um poder impressionante nas mãos e na verdade não dá muita importância a isso.

Prova do que eu digo é mini-documentário-não-tão-documentário-assim-padrão-Youtube chamado We All Want to Be Young. O vídeo é o resultado de diversos estudos realizados pela BOX1824 nos últimos 5 anos, uma empresa de pesquisa especializada em tendências de comportamento e consumo. E sinceramente... esse vídeo é mais que um tapa, é um soco no estômago da sociedade.



A produção assinada Lena Maciel, Lucas Liedke e Rony Rodrigues tem muito a dizer em seus menos de 10 minutos. Aliás, o próprio formato é louvável. Vale imaginar que se fosse produzido no Brasil, esses 5 anos de estudos virariam no mínimo um livro de 500 páginas ou um vídeo de 1h30 que fariam todos dormirem. Aqui temos imagens reconhecíveis, trilha sonora agradabilíssima e um texto que a início parece bobo, mas que como tudo que faz sucesso na internet hoje em dia, traz uma série de reflexões em velocidade de metralhadora.

Os jovens da atualidade são o topo da pirâmide de influencias, uma geração global, netos da Geração Baby Boomer e da filhos da Geração X, aqueles que conquistaram o mundo e que só querem dançar Lisztomania em cima do telhado (ok, esse foi um toque bem pessoal). Uma geração única, que tem uma lista gigantesca de possibilidades, de oportunidades, um volume de informações descontrolado, ansiedade crônica e dificuldade em escolhar os filtros.

Mas como diria o narrador de We All Want to Be Young, "Se você acha que já sabe bastante e está em paz com seu espaço no mundo, então, parabéns. Você está oficialmente morto". No fim, ser jovem é ser sexy, engraçado, divertido, e por isso, todos temos medo de perder isso. Um medo que nos faz retomar a pergunta do começo do texto: como se defender de um conjunto de filosofias pós-modernas-contemporânaes que sempre querem te ensinar o seu lugar se você já não é... “tão jovem assim”?

Bem, acredite ou não, a resposta pode ser encontrada exatamente naquilo que Scott Pilgrim Contra o Mundo Faz tão primorosamente. Entenda a evolução do mundo, saiba unir todos os elementos e ícones ao seu redor, não se feche, não perca sua ambição, seus pequenos sonhos que podem sim se tornar a realidade... isso senhores, no fim não é auto ajuda, é a verdadeira fórmula para ser jovem para sempre.

E agora, quem quer dançar Lizstomania comigo encima de um telhado?

15 comentários:

FOXX disse...

de verdade, kda texto fico mais seu fã...

sobre o vídeo...
mundo? juventude mudando o mundo? como o Ocidente se acha importante né?

Kennedy Lucas disse...

puta video. acabei de vê-lo tb, bem antes de ler seu post.
fiquei com "preciso ver urgentemente esse fime" do Scott Pilgrim Contra o Mundo.

ótimo texto

Victor Manfredine disse...

Eu não concordo!

Notar que vc assistiu cavaleiros do zodíaco, jaspion, super campeões, castelo rá-tim-bum, ursinhos carinhosos, tv colosso ou bananas de pijamas que seja, não quer dizer necessariamente que vc é velho e ponto. Oras Samuel: Aquilo era tv infantil de verdade. Os programas eram educativos e tinham a inocência que nenhum tem mais hoje. A geração atual que assiste animes japoneses achando tudo super maneiro não vai entender nunca. Daí é melhor não discutir.
Esse é o papo de nem melhor nem pior, apenas diferente..

Mas veja só, as crianças brincavam nas ruas, as vovós sentavam nas calçadas.. você não vê mais isso. Tudo reflete a época.

Não tem saudade de nada uai?
Você tá velho mesmo. Não adianta fugir. kkkkkkkkkkkk

Andréia disse...

e kd aqueles q falam q e a juventude está perdida? sumiram? rs

Clara disse...

Tbm nao curto o saudosismo pelos anos 90. prontofalei!! UHSUshs
amei o post, Samuel. e que video, heim?
Maassa demais!!
;*

Bruna Guedes disse...

Já tô avisando, um desses teus textos vai entrar no meu caderno 2- que é o meu projeto de conclusão de curso.
Gostei!

Luiz. disse...

apesar de ser membro da geração atual, concordo plenamente com tudo que você falou. Vamos dançar Lizstomania. (:

Golby Pullig disse...

O Ariel vai amar esse filme. E eu já quero ver também.
Anotei a receita: "Entenda a evolução do mundo, saiba unir todos os elementos e ícones ao seu redor, não se feche, não perca sua ambição, seus pequenos sonhos que podem sim se tornar a realidade... isso senhores, no fim não é autoajuda, é a verdadeira fórmula para ser jovem para sempre".
Pra sempre não sei, mas o quanto for possível, tamos aí. Agora entendi a pergunta sobre o kichute.

Cruela Veneno da Silva disse...

ainda bem que sofri um acidente e só me lembro dos ultimos 5 anos

Ro Fers disse...

Saudades de tudo isso e mais um pouco.. E ao saber que estou deixando de ser jovem, da uma dor no coração, uma angustia...
Mas ja tenho planos futuros de plásticas,apesar que a juventude está dentro de nós, em nossas atitudes...

RICARDO disse...

Por favor, urgente:
hoje todos os jornais estão divulgado MAIS UM ataque na região da Paulista, na Frei Caneca, um skinhead com soco inglês…
E estamos perdendo feio lá no site do Conselho Regional de Psicologia de Santa Catariana, a maioria na enquete é contra a PL 122/2006. Eu fico me perguntando do que essa gente tem medo. Quem puder, entra lá e vote “SIM”, por favor..
http://www.crpsc.org.b
Outra coisa, nem sei se gostam do Jabor nestas bandas, mas o que ele falou e como falou hoje, em nossa defesa, em “Covardes atacam homossexuais corajosos” merece emoção e aplausos. Ouçam no link abaixo:
http://cbn.globoradio.globo.com/comentaristas/arnaldo-jabor/2010/12/10/COVARDES-ATACAM-NOS-HOMOSSEXUAIS-CORAJOSOS-A-POPRIA-MISERIA-SEXUAL.htm?utm_source=twitterfeed&utm_medium=twitter
Obrigado,
Ricardo Aguieiras
aguieiras2002@yahoo.com.br

Larissa Bohnenberger disse...

"Se você é jovem ainda, jovem ainda, jovem ainda. Amanhã velho será, velho será, velho será. A menos que o coração, que o coração sustente. A juventude que nunca morrerá".

Ahahahahahahahahahahah! Só não me xinga muito, viu! Amo tudo relacionado aos anos 80 e início dos anos 90. Sou saudosista sim, e daí? Não conseguiria jamais ser criança nos tempos de hoje. Minha infância foi a melhor do mundo e não troco. Não esqueço. E cito frases. E canto músicas.

"Se você é jovem ainda jovem ainda jovem ainda..."

Larissa Bohnenberger disse...

P.S. Vi um comentário entigo seu no meu blog, por isso passei aqui pra 'relembrar'. Deu pra perceber que eu adoro relembrar, certo? Rsrsrsrsrs!

mazé oliveira disse...

Vou assistir. Fiquei curiosa, apesar de ultimamente não dispor de muito tempo. Gostei do post. Um abraço!

thyago santos disse...

Voce nao era tosco.... Naquele tempo ja brilhava.... Parabens pelo blog.... Abracos