sexta-feira, 5 de setembro de 2008

Analisando Grandes Clássicos da Literatura

Em mais um momento de devaneio (lê-se: eu to sem nada o que escrever por aqui), o Fala Consciência trás para você querido leitor, um serviço de utilidade pública super útil, um pequeno resumo de livros marcantes para a humanidade (ou não, depende do ponto de vista, opinião é como bunda, cada um tem a sua) e uma análise precisa, meticulosa e científica-acadêmica, indo aos confins de onde poucas análises críticas literárias foram dessas mesmas obras. E ai neguinho se pergunta: "grande coisa, o que eu vou ganhar com isso?", e eu respondo: primeiro que você vai guardar na carteira pelo menos umas 500 pilas (oh! It's amazing), segundo que você vai se poupar de ler umas 5000 páginas sem figuras, (e não pára por aí) terceiro que você vai ter cultura pra colocar nas conversas de botequo quando você estiver enchendo a cara de chopp, ou ate o ponto em que você lembrar que está bebendo.

O Pequeno Príncipe
Vamos nos fixar em apenas uma parte do livro pra vocês entenderem. O capítulo da raposa. A raposa linda, ruiva e esbelta tava tranqüila, CUIDANDO DA SUA VIDA, quando chega o principizinho loirinho, dos olhos azuis, bunitinho mas ordinário. Hellowww, a raposa tava na solidão, lógico que ela vai puxar assunto, mesmo que o príncipe tenha deixado claro que estava ATRÁS DE HOMENS. Mesmo assim, a raposa visivelmente numa fossa mental resolve desenvolver laços afetivos com o príncipe-projeto-de-cafajeste. Aí beleza, viram miguxinhos, se divertam, fazem troca-troca e tals, essas coisas; a pobre da raposa já começa a esperar o cachorro as 4 da tarde, dizendo que fica feliz já as 3, quando de repente... o pilantra diz que vai dar o vaza do nada e ainda alega que "A culpa é tua, disse o principezinho, eu não queria te fazer mal; mas tu quiseste que eu te cativasse...". Aí a raposa se fudeu. E pra cravar o punhal no resto do coração da bixinha, o príncipe calhorda ainda faz inúmeros elogios aquela puta da rosa egoísta dele. A mesma rosa que ficou no mundo que ele fugiu porque já tava enjoado, mas logo começou a morrer de saudades. Sim, a mesma rosa egoísta e cretina pela qual ele morre. E a raposa? Deve ter sido morta na última caça a raposa nas pradarias européias.
contribuição (quase plágio descarado) do Goiano

A Moreninha
Pessoal, eu não sei vocês, mas esse livro é totalmente a favor da PEDOFILIA. Um grupo de estudantes de medicina vai pro aniversário da avó de um deles numa ilha que (pelo menos no livro que eu li) nunca dizem o nome. Eles usam como desculpa o aniversário da velha, mas o que eles querem mesmo é caçar muié. Augusto, que diz que nunca fica mais de 15 dias com a mesma mulher, ao chegar à ilha cai de amores por uma moreninha, tipo bem brasileira, de 15 anos de idade, eu disse 15. Ou seja, é a típica história do playboy gostosão e cheio da grana que come a filha da empregada. O livro tem uns momentos bem deprimentes (de ruins, não de tristes), como a história de que o Augusto deu seu coração pra menina que ele conheceu aos 13 anos e que juntos ajudaram um moribundo (que deixou de se preocupar com a morte que tava do lado e só falava de como aqueles dois deveriam casar e ser felizes, super verossímil), no fim Augusto descobre que a Moreninha é essa mesma garota. Ai eles casam e vivem felizes para sempre. Duvido, tenho certeza que aos 40 anos, o tarado do Augusto trocou a Moreninha de peitos já caídos por uma guria de 14 aninhos.

Branca de Neve e os Sete Anões
Cá entre nós, que príncipe se casaria com uma mulher que dormia numa floresta isolada com 7 homens? Eu disse SETE! Bobinho esse príncipe, não? Bem que o Dunga nunca me enganou com aquelas orelhas e aquele sorriso de tarado.


Romeu e Julieta
Eu tenho certeza que foi Shakespare que criou o princípio emo. Segue o raciocínio. Dois adolescentes pirados na batatinha se apaixonam durante uma festa em que o Romeu na verdade tava afim de dar uns pegas na Rosaline, só que ele deve ter reparado que a Julieta tinha uns peitos maiores, aí caiu por ela, mas entrou em depressão quando descobriu que ela era da família inimiga a dele. Como naquela época, cortar os pulsos com gilete não tava em moda, os dois se afundavam numa depressão cada vez maior junto a um monte de declarações meia boca. Os dois se casam com a ajuda de um Frei, mas pra fuder tudo de uma vez, o Romeu mata o primo da Julieta no dia seguinte. Depressão, mais depressão e rimas, o pior são as rimas. Romeu foge e o Frei caduco tem a genial idéia de fazer a Julieta parecer morta, assim, ela poderia fugir com o Romeu. Só que Romeu não soube disso a tempo e tomou um veneno na hora que a Julieta acordou. Julieta, fudida e mal paga, já que não tinha muita opção, se matou também. Eu acho que se o Frei tivesse feito eles fugirem juntos sem precisar ninguém se matar, eles iam viver de amor, ate que a grana acabasse e eles percebessem que amor não enche o buxo, e Julieta voltaria pra casa dos pais que já teriam ido ao Jornal Nacional em busca da menina. A história com certeza sairia na íntegra no Fantástico com uma entrevista exclusiva onde Julieta diria, "Não sou lésbica", e sua mãe afirmaria que o problema era que ela tinha engravidado muito jovem. E o Romeu? Teria virado caminhoneiro, michê, ou os dois.

O Senhor dos Anéis
Um grupo de homens muito machos saem pra destruir um anel numa montanha de fogo vigiada por um olho. Depois só dois amigos continuam a missão. Vejamos: eles querem queimar o anel? Queimar o anel, sacou, sacou?! É, eu sabia que aquele elfo nunca tinha me enganado.

Dom Casmurro
Eu não sei vocês, mas demorei um mês pra ler esse livro e quando eu o finalmente terminei só um pensamento me passou pela cabeça, o de que Machado de Assis nunca havia imaginado que o teste de DNA fosse inventado. Foram 50 páginas só de delírios do Bentinho querendo saber se Capitu deu ou não deu pro Escobar. Gente, pára e pensa, como seria maravilhoso o espetáculo do Bentinho e da Capitu no programa do Ratinho trocando cada um ofensa de um lado, ate que a Capitu partisse pra enfiar a mão na cara de Bentinho enquanto este gritasse, "Piranha, piranha sim! Tu trepou com meu melhor amigo, sua vaca. Esse filho não é meu!". Pior que isso só aquelas cartas do Bentinho pro Escobar, aí da pra ver que o Bentinho era uma bicha super pintosa. Vide trexo da obra: "Durante cerca de cinco minutos esteve com a minha mão entre as suas, como se não me visse desde longos meses. - Você janta comigo, Escobar? - Vim para isto mesmo." Pra mim é caso encerrado.
contribuição (quase plágio descarado) do Millor

Madame Bovary
Dona de casa transa com padeiro, leiteiro, carteiro... Chifre adoidado na cabeça do marido. Ela se apaixona por um tal de Leon, estudantezinho de direito, transa com ele, se endivida por causa dele até não ter mais um vintém. Sozinha, sem um tostão furado e sofrendo de depressão crônica, a mulher se mata. É o típico caso de Síndrome de Cinderela, uma quarentona, fica louca por um garotão cheio de amor pra dar, o marido médico é um saco, então vai lá e pimba. Sabe como é? Ta pegando alguém mais novo, dá aquela levantada no ego, faz se sentir mais jovem também, vai atrás de uma miguxinha e tals... Só que naquela época não existia a revista Nova, nem a Criativa, muito menos a Marie Claire, então sem um apoio moral de verdade, e pior, sem o “cantinho da leitora”, a tragédia se consolida no final. E pensar que o Gustave Flaubert foi processado pelo governo francês por causa desse romance. Para ler nesse século: O Doce Veneno do Escorpião, de Bruna Surfistinha.

27 comentários:

Lívia disse...

Hahaha, concordo inteiramente com a "resenha" dO Pequeno Príncipe! .rs.rs.

Beijos.

MatheusS disse...

Menino, que tal vender teus scripts para as Americanas? Os livros se esgotariam mais rápido que os boletos pro show da Madonna.

Ahhh, queria tanto um comentário sobre 'O Cortiço' =D
Amo aquele puteiro pobre, onde o único limite é o cééééu!!!

Thiago da Hora Souza disse...

Isso aqui virou blog sério??? CREDO!

O seringueiro Voador disse...

Então, complementando uma informações...

"numa ilha que (pelo menos no livro que eu li) nunca dizem o nome"

a tal ilha se chama Paquetá, segundo os moradores da mesma, ela é bem real e uma espécie de Custódio Freire do Rio de Janeiro, principal função da ilha é dormitório e relaxamento aos finais de semana.
Lá existe uma pedra que os moradores afirmams ser a mesma pedra que aparece no livro A Moreninha, mas essa informação não posso confirmar, pois nunca li o livro nem nunca vou ler. (acho)

Bryce disse...

Desses todos, só não lí o da Madame (puta) Bovary. Mas pela sua resenha não é nada muito diferente do que vemos nos jornais geralmente seguido de "Após descobrir o marido mata a esposa com 45896 facadas".

Apesar de adorar Shakespeare, ainda não tinha analisado as coisas desse jeito. E pensando bem, Otello, Rei Lear, Hamlet, Macbeth, Antônio e Cleópatra, Cimbeline, Júlio César, Henrique IV e Henrique VI, também se encaixam muito bem no gênero de precursores da cultura EMO. Salvando-se desse veredito, apenas, sonhos de uma noite de verão, a megera domada e muito barulho por nada.
Mas mesmo assim, adoro o estilo que todo mundo morre no final. Ou enlouquece. Ou se fodem generalizadamente. Ou tudo isso junto.

O pequeno príncipe é um viadinho, e cafajeste é com J. x)

Suellen Verçosa disse...

Jamais poderia agradecer os momentos de cultura proporcionados por este blog.hauahuahauhau


bjus Mu...

Manu Falqueto disse...

Meu Pai Eterno!Rimas bregas?!!!
Heins, todas as pessoas viviam numa sociedade gay, e as que não eram gays, eram pq foram para o interior. E lá é com atos de pedofilia que se vive, gays são reprimidos...

Meu Pai Eterno!O que te aconteceu...
?
Hein, mas ainda bem que as aulas vão começar e quem sabe não poderemos te curar...

bjim
xD

Thaísa Lima disse...

hahaahahaha Eu desistiria do ingresso da Madonna pra ver o Ratinho apartando a briga do Bentinho e da Capitu. E parabéns pelo final do Romeu e Julieta. Quando eu era criança faziamos competições de final diferentes. Nenhum como esse. rsrs.bjooO

Thiago da Hora Souza disse...

O Edu me indicou um livro beeem interessante: "Bom-crioulo". =X HAHAHAHA

Miriane disse...

Pra mim o melhor comentário é: "Machado de Assis nunca havia imaginado que o teste de DNA fosse inventado."

- essa vai pro arcabouço cultural.

Victor Manfredine disse...

oxii, até q deu vontade de ler o pequeno príncipe só pelo esboço meio drástico q vc deu ao livro,
mas assim.. ficou legal.
quanto a dom casmurro,
continuo achando o pior livro
já publicado na historia da humanidade.
das duas uma:
ou eu sou burro o bastante para não entender o que machado de assis escreveu,
ou sou mais um mortal que não tá nem aí se tem chifre na parada ou não. capitu que se lasque. =]

Daniela Andrade disse...

Sou apaixonada, doente pelo Pequeno Príncipe. E nunca concorri a miss, sério.

Outro livro que amo é Dom Casmurro. Chego a sofrer com a dor de corno do Bentinho, sério, aquela Capitu é muito puta, tanto que no único momento de brilhantismo do Manoel Carlos, ele deu a sua puta o nome de Capitu (aliás, muito chata aquela Giovana Antoneli).

Já tentei resenhar livros assim, meio que na sacanagem, mas sou tão chata com literatura que nunca consegui. Então me divirto com quem faz isso. "A moreninha" ficou excelente.

=****

Talles Borges e Borges Moreira disse...

Agradecendo ao comentario fico feliz e grato por ter gostado do meu blog

Respondendo ao post, eu estou boquiaberto com cada expressão utilizada no seu texto, simplesmente amei e outra eu estava afim de ler livros e essa semana eu iria fazer uma pesquisa dos mais clássicos, procurarei e lerei eses que vc postou.
Obrigado mais uma vez!
Volte sempre.
;)

Talles Borges e Borges Moreira disse...

consertando...

ESSES*

Talles Borges e Borges Moreira disse...

Haha modesto vc, agradeço novamente, postei coisa nova la
Hj faz um mes que sou blogueiro, então fiz uma homenagem la!

Maicom disse...

...O fato de gostar muito desses clássicos (da minha infância, aliás, de todas as infâncias do World), não os tornam menos ridículos. Realmente, muita coisa me intriga. É como se fosse uma realidade sórdida com o final feliz (ÔH, paRRaaai (pai), os finais felizes). Acredito, que um 'finalzim' triste ou pelo menos mais instigante, seria melhor às pobres crianças e ao próprio mundo também. Se bem que (zZZzzz), hoje em dia, infância nem existe mais. Época boa, era a minha (que velho?). Mas, depois te conto como era ela (a época, claro).
AH! O comentário do 'Senhor Dos Anéis', foi muuuuuito bom. Ehueheuheu, é por aí.

Abração.

Kamilla disse...

Adorei as suas resenhas!! Eu já li "O pequeno principe", "Tu te tornas responsável por aquilo q cativas". Eu acho q todos tem q ler esse livro, só p/ conhecer, pq é um clássico. Não p/ dizer q é o melhor livro, pq não é! Já li a "Moreninha" tb! Eu gostei desse livro, sou uma mulher romântica! ahuahua Do jeito q Augusto era, ele deve ter trocado a Carolina sim! hauahua "A Branca de Neve" eu nunca li, mas já vi o filme milhões de vezes! Acho q com sete anos dá p/ fazer a maior festa! hauah
Eu adoro o livro "Dom Casmurro, o problema q Realismo a narrativa é lenta...
Suas resenhas são d++!!

Luiz Korsakoff disse...

Concordando com o Matheus, a resenha do Cortiço seria ótimaaaa (Se bem que Madame Bovary também ficou muito boa).

Viva la vida garoto prodígio
=)

Boa semana.

Igor disse...

É... são clássicos de ontem, hoje e de amanhã. São e serão imortais!Viva Madame Bovary, tatatatataravó de "Madame Surfistinha"! \o/

Danna disse...

Realmente meu caro, são obras literárias fascinantemente complexas na hora de ler. Mas quando a gente vai ver o real significado se resume a tudo isso que você colocou aqui! Só me falta ler o "Madame Bovary", que me atiça pelo tema, assim como aquele "A Carne". Ou seja, são livros realmente educativos...
^^ Ah, foi bom te ver no domingo. Deu pra aliviar as saudades.

Talles Borges e Borges Moreira disse...

Sumiu do meu cantinho
:(
Te espero!
Saudade posta logo!

Kethleen disse...

Vc é meu crítico literário favorito

kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

steve disse...

concordo com quase todas as criticas, menos a sobre "O senhor dos anéis", me soou meio homofóbico, talvez vc ñ tenha visto o filmão ou lido a trilogia de maneira pensante; no mais, está perdoado.

Bryce disse...

ATUALIZA CARAI!

Mariana Martins. disse...

'Dunga com sorriso de tarado' eh?
Samuel você é totalmente pirado!

vdj disse...

Achei um pouco grosseiro o comentário do livro "O Senhor dos Anéis"... nada contra, mas pra se comentar algo com um tom de ironia, primeiro leia a obra, depois tire suas conclusões.

Mas de boa, temos que ser menos pesados e encarar algumas coisas com uma certa ironia e rir de outras.

[]'s

Anônimo disse...

Muita gente já fez parecido de forma engraçada.
A única impressão que eu tive é que suas idéias não são surpreendentes se você realmente tiver lido nessas edições para crianças.